Skip to main content

SOFT GRID (Alemanha) ao vivo nos Penicheiros

Depois do anúncio da conferência final do projecto Unearthing the Music, a realizar a 15 e 16 de Fevereiro no Goethe Institut de Lisboa (ver aqui), e cujos pormenores serão revelados na próxima semana, é com prazer que comunicamos hoje o nosso primeiro concerto de 2018 por terras barreirenses.

​Em palco os SOFT GRID, um trio de Berlim com especial sensibilidade a todas as possíveis músicas do cada vez mais expansivo universo da pop​​, ​que ​t​em​ vindo a ganhar uma reputação de banda ​particularmente intensa ao vivo, onde parecem levantar voo a cada oportunidade.

Esta é a primeira programação conjunta OUT.RA / Vitoriana @ Penicheiros. A entrada é livre.

Até já!

A música experimental para lá do Muro de Berlim: Conferência no Goethe Institut de Lisboa, 15 e 16 de Fevereiro

Iniciamos 2018 com um evento de dois dias que assinala o final do nosso projecto Unearthing the Music, no âmbito do qual recolhemos, em 2017, os mais vários materiais relacionados com a música experimental feita nos países da chamada “Cortina de Ferro” entre 1957 e 1989.
 
Nos dias 15 e 16 de Fevereiro, no Goethe Institut de Lisboa, acolhemos músicos, curadores, investigadores e jornalistas para falar deste tópico fascinante, ouvir concertos de figuras incontornáveis ainda no activo e assistir a quatro documentários que ilustram várias das faces e realidades enfrentadas por músicos aventureiros nos regimes severamente controlados da Europa Socialista de então.
 
O programa completo e o alinhamento serão disponibilizados nos próximos dias – sendo que estão já confirmadas presenças de nomes como Chris Cutler (músico britânico que nas décadas de 70 e 80 viajou e colaborou com vários artistas da região), Alexei Borisov (músico russo fundador da cena pós-punk de Moscovo nos anos 80), os irmãos Robert e Ronald Lippok, que apresentarão ao vivo a música da sua banda Ornament & Verbechen, ícone da música industrial em Berlim Leste, ou o jornalista Chris Bohn, um dos editores da revista Wire que escreveu, no início dos anos 80, extensos artigos sobre a música da contra-cultura na Hungria, Polónia ou Checoslováquia.
 
Marquem na vossa agenda!