Segunda Noite da Raposa, dia 27 na ADAO

A segunda edição da Noite da Raposa – evento especial que junta nomes emergentes das músicas electrónicas-e-não-só do Barreiro e da Grande Lisboa – acontece já no próximo sábado, dia 27, na ADAO – Associação Desenvolvimento Artes & Ofícios.

Pelos dois palcos montados na Sala Oficina passam Maria Reis (guitarrista e vocalista das Pega Monstro apresentando o seu recente trabalho a solo), Van Ayres (lisboeta tornado barreirense que traz sempre consigo o inesperado e inclassificável), Luar Domatrix (metade do fantástico duo Yong Yong), Y Basics (nome do trabalho de exploração electrónica do local José Bica), Floresta Oblíqua (aventureiro dos sintetizadores modulares analógicos) e a joker Célia Graúdo (barreirense histórica que com este DJ Set de acolhimento promete a sua primeira – e única! – incursão pelos palcos).

Tudo isto a partir das 22h, com bilhetes a 5€ (ou 2.5€ para públicos até aos 25 anos de idade). Os ingressos podem ser comprados antecipadamente no Posto de Turismo do Barreiro (Estação Fluvial) ou Vitoriana Pub (Penicheiros), ou no dia e à porta a partir das 21h30.

OUT.RA Música em Julho: Ka Baird & Louise Bock | Rodrigo Amado, Marco Franco & Gonçalo Almeida

Julho está a chegar, e com o calor vêm mais duas sessões de excelência no Barreiro. 
 
No sábado, dia 7, recebemos o trio de RODRIGO AMADO, MARCO FRANCO e GONÇALO ALMEIDA, representantes de mais alto nível do novo jazz nacional, cujo disco “The Attic” povoou praticamente todas as listas (nacionais e internacionais) de melhores lançamentos do ano em 2017. O concerto decorrerá em formato matinée (às 18h00), e realizar-se-á num dos terraços mais carismáticos do centro da cidade, com vista soberba e setting perfeito.
 
No sábado seguinte, dia 14, a ADAO – Associação Desenvolvimento Artes & Ofícios acolhe duas artistas de referência nas músicas exploratórias norte-americanas da última década: KA BAIRD e LOUISE BOCK, membros do colectivo SPIRES THAT IN THE SUNSET RISE, e que aqui apresentarão os seus trabalhos a solo, com edições aclamadas pela Drag City e Feeding Tube, respectivamente. 
 
O primeiro concerto é de entrada livre, mediante reserva prévia e obrigatória para o mail info@outra.pt, enquanto que os bilhetes para dia 14 têm o preço habitual de 5€ para o público em geral e 2,5€ para jovens até aos 25 anos. Podem ser adquiridos no Posto de Turismo do Barreiro, O Pial e Vitoriana Pub, ou reservados para o mesmo endereço de e-mail.
 
Até já!

OUT.RA Música: Maio e Junho na ADAO

Anunciamos hoje as próximas duas noites de concertos no Barreiro – e que noites! 
 
Dia 26 deste mês acontece a NOITE DA RAPOSA, com seis concertos de novos nomes das mais variadas electrónicas a terem lugar nos dois dark rooms do edifício 2 da ADAO, numa mostra do que de mais interessante se tem vindo a fazer no país nas músicas maquinais mais ou menos desarranjadas. Apontem: BLEID, FOLCLORE IMPRESSIONISTA, CONTREIRA, KEROX, RAW FOREST e o wild-card PEDRO SOUSA num raro solo de saxofone.
 
Em Junho, dia 15, regressam ao Barreiro os incríveis VAIAPRAIA & AS RAINHAS DO BAILE, trio punk / queercore de Lisboa acabado de lançar o EP “Amor Duro”, bomba concentrada com três canções de feeling maior que a vida. A abrir, o “bleach-house neuro-dance from Barreiro” do talento local OPUS PISTORUM, também ele com um lançamento fresco – “Há um espectro pela Europa” que não pode deixar de ser ouvido. A noite rola no Palco Oficina da ADAO.
 
Os bilhetes (a 5€) podem ser já comprados no Posto de Turismo do Barreiro (no terminal fluvial) e n’O Pial, e há mais novidades: a partir de agora, as programações regulares OUT.RA Música passam a custar metade do preço para menores de 25 anos.
 
Até já!

Bolsa de Criação OUT.RA 2018 – Candidaturas Abertas

Na sequência das Bolsas de Criação atribuídas aos artistas locais Tiago Sousa (2016) e José Bica (2017), a OUT.RA – Associação Cultural aceita, a partir deste momento, candidaturas de jovens artistas locais para o desenvolvimento de trabalho artístico relacionado com Música / Som / Artes Sonoras durante o ano de 2018.
 
Os critérios de selecção a ter em conta são:
  • Residência no Concelho do Barreiro ou áreas urbanas limítrofes (Baixa da Banheira, Vale da Amoreira);
  • Idade entre os 18 e os 35 anos;
  • Formação (superior ou técnica) em áreas artísticas, em particular em Música / Artes Sonoras / Multimédia / Etnomusicologia, etc ou, em alternativa, trabalho relevante desenvolvido em Música / Som que revele a procura de novas soluções e permita antever uma personalidade artística própria;
  • Conhecimento do trabalho desenvolvido pela Associação (OUT.FEST, programação regular, documentação sonora, etc) e adequação das propostas a este trabalho;
  • Qualidade conceptual do projecto criativo, grau de maturidade apresentado para o seu desenvolvimento, exequibilidade dos meios necessários aos espectáculos para sua apresentação.
 
O trabalho a desenvolver pelo(a) bolseiro(a) deve decorrer entre Maio e Dezembro de 2018, e contemplar pelo menos um momento de apresentação pública.
 
A bolsa a atribuir tem o valor de 800€.
 
As candidaturas devem ser enviadas para o mail info@outra.pt até ao dia 15 de Abril, e conter as seguintes informações:
 
– Nome, CV e biografia artística;
– Descrição e calendarização da proposta;
– Material necessário para o seu desenvolvimento.

SOFT GRID (Alemanha) ao vivo nos Penicheiros

Depois do anúncio da conferência final do projecto Unearthing the Music, a realizar a 15 e 16 de Fevereiro no Goethe Institut de Lisboa (ver aqui), e cujos pormenores serão revelados na próxima semana, é com prazer que comunicamos hoje o nosso primeiro concerto de 2018 por terras barreirenses.

​Em palco os SOFT GRID, um trio de Berlim com especial sensibilidade a todas as possíveis músicas do cada vez mais expansivo universo da pop​​, ​que ​t​em​ vindo a ganhar uma reputação de banda ​particularmente intensa ao vivo, onde parecem levantar voo a cada oportunidade.

Esta é a primeira programação conjunta OUT.RA / Vitoriana @ Penicheiros. A entrada é livre.

Até já!

A música experimental para lá do Muro de Berlim: Conferência no Goethe Institut de Lisboa, 15 e 16 de Fevereiro

Iniciamos 2018 com um evento de dois dias que assinala o final do nosso projecto Unearthing the Music, no âmbito do qual recolhemos, em 2017, os mais vários materiais relacionados com a música experimental feita nos países da chamada “Cortina de Ferro” entre 1957 e 1989.
 
Nos dias 15 e 16 de Fevereiro, no Goethe Institut de Lisboa, acolhemos músicos, curadores, investigadores e jornalistas para falar deste tópico fascinante, ouvir concertos de figuras incontornáveis ainda no activo e assistir a quatro documentários que ilustram várias das faces e realidades enfrentadas por músicos aventureiros nos regimes severamente controlados da Europa Socialista de então.
 
O programa completo e o alinhamento serão disponibilizados nos próximos dias – sendo que estão já confirmadas presenças de nomes como Chris Cutler (músico britânico que nas décadas de 70 e 80 viajou e colaborou com vários artistas da região), Alexei Borisov (músico russo fundador da cena pós-punk de Moscovo nos anos 80), os irmãos Robert e Ronald Lippok, que apresentarão ao vivo a música da sua banda Ornament & Verbechen, ícone da música industrial em Berlim Leste, ou o jornalista Chris Bohn, um dos editores da revista Wire que escreveu, no início dos anos 80, extensos artigos sobre a música da contra-cultura na Hungria, Polónia ou Checoslováquia.
 
Marquem na vossa agenda!

LARAAJI de regresso ao Barreiro

Depois de um inesquecível concerto e de uma original sessão de yoga no OUT.FEST 2015, o mágico LARAAJI regressa ao Barreiro para uma extensiva e imersiva performance musical, onde a ‘zihter’ electrónica, mbire, gongo, espanta espíritos e voz se combinam para conduzir os presentes para uma jornada interior rumo a sítios de profundo desprendimento, descanso e harmonia. 

Laraaji é criador de uma música panegírica do cosmos e um convicto praticante e promotor da meditação transcendental através do riso, baseado em Nova Iorque. Começou a tocar música nas ruas na década de 70, improvisando temas hipnóticos na sua ‘zither’ personalizada que processa com efeitos electrónicos, motivado pela sua pesquisa pessoal e entendimento de culturas místicas orientais. Brian Eno viu-o a tocar num parque público e convidou o músico a gravar um álbum para a sua série ‘Ambient’. 

Desde então, Laraaji toca regularmente por todo o planeta, em festivais mas também em centros de yoga, criando espaços sonoros de transcendência. Um viajante do mundo, capaz de invocar a imensidão do cosmos exterior e das profundezas do íntimo individual como mais ninguém, para nos oferecer um concerto que é – verdadeiramente – uma experiência de vida.

Aceitamos já reservas para o concerto, que decorrerá na Biblioteca Municipal no dia 29 de Novembro. Os bilhetes têm o preço de 5€.

CANCELADO: WILLIAM PARKER / JOHN DIKEMAN / LUÍS VICENTE / ONNO GOVAERT

CONCERTO CANCELADO
Infelizmente, e por motivos de saúde inesperados, William Parker não poderá deslocar-se à Europa para os vários concertos agendados nas próximas semanas – entre eles, a sua agora adiada estreia barreirense, acompanhado de John Dikeman, Luís Vicente e Onno Govaert.
 
Acreditamos que a sua presença no Barreiro será uma realidade no futuro próximo. Pelo cancelamento deste espectáculo, no entanto, pedimos as nossas desculpas aos muitos interessados.
 

Aplicamos muitas – talvez demasiadas – vezes o epíteto de “lenda” aos músicos que vamos tendo o privilégio de programar no Barreiro, mas que outro adjectivo utilizar no caso de William Parker?

O contrabaixista, improvisador, escritor e educador nova-iorquino, 65 anos de idade, é um dos mais brilhantes contrabaixistas do jazz livre de todos os tempos (assim o disse, ipsis verbis, uma autoridade como o jornal The Village Voice), e apresenta-se neste concerto rodeado por nomes como o saxofonista John Dikeman (com quem mantém, mais Hamid Drake, um trio explosivo), o baterista Onno Govaert e o trompetista Luís Vicente (ambos figuras de uma nova geração europeia de aventureiros).

O diálogo entre a inspiração afro americana, espiritual e orgânica, na senda do legado de Coltrane, Don Cherry ou Ayler, e a improvisação de veia europeia, a oportunidade de testemunhar este encontro de gerações e escolas, a visão que será ter William Parker a tocar num espaço quotidiano da cidade… será necessário usar – uma vez mais – a palavra “imperdível”?

OUT.RA Música em Setembro – GREG FOX na ADAO

Olá a todos,

Enquanto não divulgamos o cartaz completo do OUT.FEST 2017 – que está para muito em breve – anunciamos já o próximo concerto da nossa programação regular, a ter lugar na ADAO, no dia 14 de Setembro.

E que melhor forma para assinalar a reentré do que recebendo o prodigioso baterista nova-iorquino GREG FOX, reconhecido pelo seu papel nos LITURGY, GUARDIAN ALIEN, ZS e tantos outros projectos incontornáveis da actualidade? O percussionista vem ao Barreiro apresentar o seu novíssimo álbum a solo, sendo que a primeira parte estará a cargo de um músico que é parte fundamental na história dos últimos 15 anos da música no Barreiro: BRUNO CONTREIRA.

Os bilhetes já podem ser reservados, como sempre através de e-mail para info@outra.pt.

Até já!

Primeiros nomes para o 14º OUT.FEST

Anunciamos hoje os primeiros 8 nomes para o cartaz do 14º OUT.FEST – Festival Internacional de Música Exploratória do Barreiro, a decorrer entre 4 e 7 de Outubro, como habitualmente em vários espaços da cidade.

Deste primeiro leque de confirmações salienta-se, desde logo, a presença de alguns nomes com várias décadas de trabalho de inovação, progressismo e experimentação continuada, como sejam os norte-americanos Pere Ubu, liderados pelo icónico David Thomas, ou os britânicos This Heat (rebaptizados This is Not This Heat desde o seu ressurgimento há um par de anos), Nocturnal Emissions ou Simon Crab (do projecto Bourbonese Qualk).

No que diz respeito aos talentos emergentes, lugar para apresentações do produtor nova-iorquino Nik Dawson, sob o nome Bookworms, da portuguesa (e agora estabelecida em Viena) Jejuno e do trio de destacadíssimos representantes do novo jazz europeu Casa Futuro (colaboração entre os lusos Pedro Sousa e Gabriel Ferrandini e o sueco Johan Berthling).

A finalizar este primeiro lote de artistas, destaque para um projecto especial que une o músico e produtor portuense Jonathan Uliel Saldanha aos grupos corais TAB (composto por trabalhadores da autarquia do Barreiro) e Be Voice, que apresentarão a nova peça “Plethora”, composta na sequência de um trabalho em desenvolvimento há já vários meses.

passe global para o festival já está à venda, numa quantidade limitada ao preço especial de 25€. Podem desde já adquiri-lo aqui

O OUT.FEST tem como principais apoios o Ministério da Cultura / Direcção-Geral das Artes, a Câmara Municipal do Barreiro, a Baía do Tejo e a Entidade Regional de Turismo da Região de Lisboa.

Ensaio aberto na Casa da Cultura e Summer Night Session na Praia de Copacabana

Olá a todos
 
Avizinha-se um fim de semana de excelência no Barreiro, com dois eventos quase-surpresa marcados para sexta e sábado.
 
Na sexta-feira, dia 23, abrimos as portas do inigualável espaço da Casa da Cultura da Baía do Tejo, para que Pedro Sousa, Rodrigo Pinheiro & Gabriel Ferrandini, três “altas patentes” do novo jazz português, mostrem algum do trabalho que lá estão a desenvolver, numa Residência Artística com o patrocínio da Baía do Tejo que se estende até início de Julho e culmina com um concerto final na Biblioteca Municipal.
 
 
No sábado, 24, vamos pela primeira vez à especial Praia de Copacabana para a nossa tradicional Summer Night Session, inserida nos Espaços Vivos 2017, e logo com um convidado do calibre de DJ Maboku, excelso representante da editora Príncipe Discos, que vem levando a todos os cantos da Europa a música dançante única que se vai fazendo nos bairros periféricos e “problemáticos” da Grande Lisboa: tarrachos, afrohouse, kuduro, e um vale-tudo electrónico numa da mais entusiasmante música de dança do presente e do futuro.
 
 
Ambos os eventos são de entrada livre.
 
Até lá!
 

Performance no Reservatório Elevado Do Alto da Paiva

O 80º Aniversário da Água Pública no Barreiro proporcionará inusitados espectáculos sonoros no Reservatório Elevado do Alto da Paiva, uma das mais icónicas e reconhecíveis estruturas na rede de abastecimento de água no Concelho.

Na sequência de uma Open Call internacional para propostas artísticas, que resultou em mais de uma centena de candidaturas, foram escolhidos quatro projectos que celebram a relação entre a Água e o Som, oriundos do Reino Unido, França, Brasil e Portugal.

Melaina Barnes é uma artista britânica, membro fundador do Breathing Space Collective, grupo que tem vindo a desenvolver nos últimos anos um vasto catálogo de trabalhos site-specific. Jean-Philippe Drecourt é um artista sonoro a residir actualmente em Portugal, tendo recentemente (e curiosamente) completado uma tese de mestrado acerca de fugas de água em redes de abastecimento. Juntos, apresentarão a peça “Tap The Rain”, que combina vocalizações com a manipulação de vários dos sons que documentam as várias estruturas da Rede de Abastecimento e Saneamento do Barreiro.

Luís Bittencourt é um percussionista, compositor e investigador de origem brasileira, actualmente a residir no Porto. Com trabalho desenvolvido no campo das novas músicas, dedica particular atenção a instrumentos percussivos pouco habituais, e investigou, em contexto académico, o uso da água enquanto fonte sonora através do estudo da obra “Water Music”, do compositor chinês Tan Dun. É precisamente esta obra que virá interpretar no Reservatório do Alto da Paiva.

Alberto Lopes é um dos artistas associados da Sonoscopia, associação cultural portuense que reúne vários dos mais destacados músicos e criadores sonoros do norte do país. Na atuação do fim de semana de 27 e 28 de Maio utilizará os “Otolith Organs”, instrumentos de criação colectiva que emitem som em ambiente aquoso, inspirados nos otólitos – estruturas moleculares localizadas no ouvido interno, responsáveis pelo equilíbrio postural.

Carlos Santos é um músico e coleccionador sonoro de Lisboa, com um extenso trabalho quer na área dos field recordings / documentação sonora, quer no campo da improvisação, no qual é dos membros mais ativos da rede de improvisadores nacionais e internacionais ligados à celebrada editora Creative Sources. Nuno Torres é um saxofonista, também de Lisboa, e também dos mais activos membros da comunidade alargada do jazz mais livre e da improvisação na capital. Apresentarão a peça “Screaming Tower”, que combina a instrumentação tradicional com a utilização, em tempo real, de vários elementos sonoros presentes quer no interior quer no exterior do Reservatório.

Ver Evento