SE UMA ÁRVORE CAIR – Filme – Grupo Recreativo da Quinta da Lomba

Anos 50, interior de Portugal. É o auge da campanha do trigo, e a versão portuguesa do arbeit macht frei arrasta milhões de cidadãos para um êxodo. Começaria a Guerra Colonial dentro de menos de uma década e as transformações profundas na Europa tardavam a chegar ao Retângulo.

2018, Alto do Seixalinho. Num qualquer café, três netos desse êxodo decidem encaixar o material num Opel Corsa e seguir pelo país à procura daquilo de que os seus avós fugiram, daquilo que os seus pais lhe contaram, daquilo que faz com que na nossa existência urbana sejamos todos de qualquer outro lado menos daqui.

Se Uma Árvore Cair leva-nos numa viagem por três sítios do interior, a aldeia de Paiágua, perdida nas serras da beira, o Rosmaninhal na planície arraiana e a cidade de Serpa, na margem esquerda do Guadiana. Por estes três locais, gravam o que ouvem, filmam o que veem e falam com quem por lá fica, à procura de uma coisa que ninguém sabe o que é mas de que nenhum tem dúvidas que só lá o pode encontrar.

SE UMA ÁRVORE CAIR – Filme – Santoantoniense Futebol Clube

Anos 50, interior de Portugal. É o auge da campanha do trigo, e a versão portuguesa do arbeit macht frei arrasta milhões de cidadãos para um êxodo. Começaria a Guerra Colonial dentro de menos de uma década e as transformações profundas na Europa tardavam a chegar ao Retângulo.

2018, Alto do Seixalinho. Num qualquer café, três netos desse êxodo decidem encaixar o material num Opel Corsa e seguir pelo país à procura daquilo de que os seus avós fugiram, daquilo que os seus pais lhe contaram, daquilo que faz com que na nossa existência urbana sejamos todos de qualquer outro lado menos daqui.

Se Uma Árvore Cair leva-nos numa viagem por três sítios do interior, a aldeia de Paiágua, perdida nas serras da beira, o Rosmaninhal na planície arraiana e a cidade de Serpa, na margem esquerda do Guadiana. Por estes três locais, gravam o que ouvem, filmam o que veem e falam com quem por lá fica, à procura de uma coisa que ninguém sabe o que é mas de que nenhum tem dúvidas que só lá o pode encontrar.

SE UMA ÁRVORE CAIR – Filme – Associação de Acção dos Reformados do Barreiro

Anos 50, interior de Portugal. É o auge da campanha do trigo, e a versão portuguesa do arbeit macht frei arrasta milhões de cidadãos para um êxodo. Começaria a Guerra Colonial dentro de menos de uma década e as transformações profundas na Europa tardavam a chegar ao Retângulo.

2018, Alto do Seixalinho. Num qualquer café, três netos desse êxodo decidem encaixar o material num Opel Corsa e seguir pelo país à procura daquilo de que os seus avós fugiram, daquilo que os seus pais lhe contaram, daquilo que faz com que na nossa existência urbana sejamos todos de qualquer outro lado menos daqui.

Se Uma Árvore Cair leva-nos numa viagem por três sítios do interior, a aldeia de Paiágua, perdida nas serras da beira, o Rosmaninhal na planície arraiana e a cidade de Serpa, na margem esquerda do Guadiana. Por estes três locais, gravam o que ouvem, filmam o que veem e falam com quem por lá fica, à procura de uma coisa que ninguém sabe o que é mas de que nenhum tem dúvidas que só lá o pode encontrar.

SE UMA ÁRVORE CAIR – Filme – AURPIL Lavradio

Anos 50, interior de Portugal. É o auge da campanha do trigo, e a versão portuguesa do arbeit macht frei arrasta milhões de cidadãos para um êxodo. Começaria a Guerra Colonial dentro de menos de uma década e as transformações profundas na Europa tardavam a chegar ao Retângulo.

2018, Alto do Seixalinho. Num qualquer café, três netos desse êxodo decidem encaixar o material num Opel Corsa e seguir pelo país à procura daquilo de que os seus avós fugiram, daquilo que os seus pais lhe contaram, daquilo que faz com que na nossa existência urbana sejamos todos de qualquer outro lado menos daqui.

Se Uma Árvore Cair leva-nos numa viagem por três sítios do interior, a aldeia de Paiágua, perdida nas serras da beira, o Rosmaninhal na planície arraiana e a cidade de Serpa, na margem esquerda do Guadiana. Por estes três locais, gravam o que ouvem, filmam o que veem e falam com quem por lá fica, à procura de uma coisa que ninguém sabe o que é mas de que nenhum tem dúvidas que só lá o pode encontrar.

 

SE UMA ÁRVORE CAIR: Performance

Dando uso à biblioteca de sons e imagens que os bolseiros OUT.RA 2018 (João Antunes, João Pinheiro e Helder Menor) recolheram na sua jornada pelo interior do país, Se Uma Árvore Cair é uma performance audiovisual onde as memórias visuais e auditivas são o mote para uma viagem sónica, dimensionada à medida da pequena grande viagem que os três fizeram no verão de 2018.

Com um espírito experimentalista e uma abordagem diferente de todos os projetos artísticos em que até agora estiveram envolvidos, Se Uma Árvore Cair é ao mesmo tempo uma celebração do interior deserto e envelhecido do nosso país e da amizade que levou os autores a embarcarem nesta viagem de re-descoberta das suas origens.